Temporada 2022
dezembro
s t q q s s d
<dezembro>
segterquaquisexsábdom
282930 1 2 3 4
56 7 8 9 10 11
1213 14 15 16 17 18
19202122232425
2627282930311
2345678
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRÓXIMOS CONCERTOS
Franz SCHUBERT
Quarteto nº 12 em dó menor, D 703 - Quartettsatz
Philip GLASS
Quartet Satz
Wolfgang A. MOZART
Quarteto para Oboé e Cordas, KV 370
Paul TAFFANEL
Quinteto Para Sopros em Sol Menor
Camille SAINT-SAËNS
Septeto em Mi Bemol Maior, Op.65
Antonio VIVALDI
Concerto para Cordas em sol menor, RV 157
Georg MUFFAT
Armonico Tributo: Sonata nº 3 em Lá maior
Georg Philipp TELEMANN
Burlesca de Dom Quixote
Darius MILHAUD
Le Boeuf sur le Toit, Op.58
Erich Wolfgang Korngold
Concerto para Violino em Ré maior, Op.35
Edvard GRIEG
Peer Gynt: Suíte nº 2, Op.55
Peer Gynt: Suíte nº 1, Op.46
Heitor VILLA-LOBOS
Ciranda das Sete Notas
Arthur HONEGGER
Intrada Para Trompete e Piano
Maurice RAVEL
Introdução e Allegro
Sergei PROKOFIEV
Sonata em Ré Maior, Op. 94
Paul HINDEMITH
Sonata for Solo Horn 1939 [Excertos]
Johann Nepomuk HUMMEL
Fantasia para Viola
Claudio SANTORO
Sonata nº 4 para Violino e Piano
Claude DEBUSSY
Première Rhapsodie
Anthony PLOG
Três Miniaturas para Tuba e Piano
Francis POULENC
Sonata Para Oboé e Piano
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia nº 9 em ré menor, Op.125 - Coral
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
SEG A SEX – DAS 9h ÀS 18h
ENSAIOS
Todos Juntos - Uma Ode Global à Alegria
Autor:Arthur Nestrovski
14/mar/2019

A “Ode à Alegria” de Schiller foi escrita em 1785 e revista pelo poeta em 1808. Incorporada parcialmente à Nona Sinfonia de Beethoven, em 1824, viria a se tornar uma das mais, se não a mais famosa obra musicada por qualquer compositor na história do Ocidente. Paradoxalmente, permanece pouco conhecida, de fato, pelos milhões ou bilhões de ouvintes da Nona que não entendem o idioma alemão. Seu sentido, porém, é da essência da Sinfonia. Juntos, em poesia e música, Beethoven e Schiller levam ao limite os ideais iluministas de liberdade, igualdade e fraternidade que inspiram o mundo democrático moderno.


Não era esse o mundo em que eles viviam, tampouco o mundo por aqui, na virada do século xviii e ao longo de quase todo o século xix (lembrando que o Brasil foi a última nação das Américas a abolir a escravidão, em 1888). Para cá, mais do que para qualquer outra parte do continente americano, veio o maior número de africanos escravizados, durante mais de trezentos anos. Confrontado com as realidades da Bahia, principal porto de entrada do tráfico de escravos, e movido por aqueles mesmos ideais do Esclarecimento, Castro Alves escreveu O navio negreiro (1869), até hoje um dos mais impressionantes retratos da barbárie — a barbárie como escancarado (mas inconfessável) segredo da civilização. Essa chaga está na raiz da sociedade brasileira, e não é preciso muito esforço para perceber seus efeitos, mais ou menos diretos, a nosso redor.


“Depois de 130 anos da extinção da escravidão, existem [...] permanências fortes e teimosas na sociedade [...]. O racismo continua estrutural no país, e continua inscrito no presente, de forma que não é possível apenas culpar a história ou o passado. A violência e a desigualdade têm na raça um fator a mais, com as pesquisas mais contemporâneas mostrando como negros morrem antes, estudam menos, têm menos acesso ao mercado de trabalho [...], sofrem com mais atos de sexismo, possuem acesso mais restrito a sistemas de moradia e acompanhamento médico. Por fim, o trabalho escravo, mesmo que informal, está longe de se encontrar extinto no país”, escrevem Flávio dos Santos Gomes e Lilia Moritz Schwarcz, na Introdução ao Dicionário da escravidão e liberdade.(1)


Com tudo isso em mente — correspondências e disparidades que caracterizam a cultura brasileira em relação ao legado europeu —, foram imaginadas respostas ao desafio lançado pelo Carnegie Hall: partindo de uma aposta na força da alegria, situar a Nona em novo contexto, dialogando com nosso próprio tempo e lugar.


O projeto Todos Juntos — Uma Ode Global à Alegria terá sua estreia com a Osesp, em São Paulo, dando início também, em dezembro, às comemorações pelos 250 anos de aniversário de Beethoven, em 2020. Depois, as “novas” Nonas serão apresentadas por oito outras orquestras, com solistas e coros, ao redor do mundo: National Youth Orchestra da Grã-Bretanha (Londres), Orquestra Sinfônica de Baltimore, Sinfônica da Nova Zelândia, Sinfônica de Sydney, ORF (Viena), Filarmônica de KwaZulu-Natal e Filarmônica de Joanesburgo (ambas da África do Sul), e uma orquestra jovem reunida pelo próprio Carnegie Hall, em Nova York — todas regidas por Marin Alsop. Cada uma criará sua rede de referências musicais, entremeadas com a obra de Beethoven; cada uma produzirá, também, uma tradução da “Ode”, a ser cantada na língua de cada país.


No nosso caso, a Nona chega na moldura de um anônimo canto de capoeira da Bahia, conhecido como Navio Negreiro, tramando conversas com um trecho de uma abertura de Paulo Costa Lima, Cabinda — Nós Somos Pretos (encomenda da Osesp, em 2015). Conversa também com um adágio para cordas encomendado a Clarice Assad, que por sua vez alude ao tema da canção tropicalista Alegria, Alegria (1967), de Caetano Veloso — antológica canção de reação ao arbítrio.


A mesma canção também é motivo de uma breve alusão na Ode à Alegria em português, em minha tradução, trabalho feito após versões para canções de Schubert e Schumann. Algumas vêm sendo gravadas ao longo dos últimos anos; entre elas, a Serenata, de Schubert/Rellstab, e Pra Que Chorar, de Schumann/Heine. Uma coisa é traduzir uma canção; outra, muito diferente, é traduzir a “Ode” de Schiller.(2) Diferenças de registro e de forma à parte, o intuito, afinal, é o mesmo: tornar a poesia cantada compreensível, de modo natural, para nós, agora. Muitos ouvintes terão a chance de entender, talvez pela primeira vez, e no momento real da audição, o que está sendo dito nessa Sinfonia.


Ao longo do ano, os quase trinta mil alunos e professores que frequentam ensaios da Osesp e concertos didáticos na Sala São Paulo terão aulas sobre a Nona, a “Ode” e a história da escravidão no Brasil. A presença dos cantores do Coro Acadêmico da Osesp e do Coral Jovem do Estado, lado a lado com o Coro da Osesp, nos concertos de dezembro, servirá de emblema do amplo trabalho de educação associado ao projeto e que é tão importante quanto a música ela mesma.


Tudo somado, essa Nona será um retrato de muito do que mais nos move, como artistas, gestores, cidadãos; e não poderia haver obra mais adequada para a conclusão da Temporada e dos oito anos de Marin Alsop como Diretora Musical da Osesp. Ao mesmo tempo que a música de um dos maiores compositores da tradição ocidental será tocada e cantada com exigência artística máxima, também deixará espaço para diálogos com a cultura brasileira em geral e, em particular, com a composição dos nossos dias; o monumento de Beethoven e Schiller, bem ao espírito deles mesmos, ganhará vida nova por força do que nos fará escutar e pensar; associados a orquestras de várias partes do mundo, estaremos em rede num projeto que pode inspirar outros, com seu apelo de solidariedade, justiça, liberdade. A música nunca é apenas música. A música — essa música — pode ser mais até do que ela mesma alcança, no futuro do passado de cada um de nós.


(1) São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
(2) Traduzidos os versos (com rima e metro definidos), veio depois o trabalho de acomodar cada sílaba a cada nota de cada voz na partitura. Registro aqui meu agradecimento aos monitores do Coro da Osesp – Natália Áurea, Silvana Romani, Jocelyn Maroccolo e Sabah Teixeira –, que estudaram as respectivas partes e fizeram preciosas sugestões.


ARTHUR NESTROVSKI
Diretor Artístico da Osesp

 

SUGESTÕES DE LEITURA

Harvey Sachs
The Ninth: Beethoven and the World in 1824
Random House, 2010


Samuel Titan Jr.
Nona Sinfonia: memória e antecipação
in Revista Osesp, ed. 2011
http://www.osesp.art.br/ ensaios.aspx?Ensaio=27